Qual o sal ideal?

April 24, 2017

No Dia Nacional de Combate a Hipertensão (26/04), o blog TEM chama a atenção para os excessos de sal consumido pela população brasileira e traz alguns substitutos para o sal de cozinha.

 

O sal de cozinha branco e iodado é visto como um grande vilão na mesa dos brasileiros, já que ele contém sódio, que faz o corpo reter mais líquido e aumenta o volume de fluidos nos vasos sanguíneos, causando hipertensão. 

 

Segundo dados de uma pesquisa recente feita pela SBH (Sociedade Brasileira de Hipertensão) A hipertensão é uma doença que mata 300 mil brasileiros anualmente, 820 mortes por dia, 30 por hora ou uma a cada 2 minutos.

 

Sal em excesso

 

O excesso de sal, consequentemente de sódio, atua como importante fator de risco para o desenvolvimento de diversas doenças crônicas, como hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, doenças renais e câncer gástrico, entre outras doenças.

 

O consumo de sal pela população brasileira é de quase 12g/dia, de acordo a Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2008/09 realizada pelo IBGE, o que ultrapassa em mais de duas vezes a recomendação da Organização Mundial da Saúde (inferior a 5g/dia de sal ou 2000mg/dia de sódio).

 

O sal mais saudável é aquele que possui a menor concentração de sódio, porém todas as opções de sal possuem sódio. Por isso, mais importante do que escolher a melhor opção é preciso ficar atento à quantidade de sal consumida todos os dias.

 

Muitas escolhas, mesmo problema

  • Sal refinado: especialistas defendem que o sal refinado ou de cozinha deveria ser usado com moderação na preparação dos alimentos e retirado da mesa para evitar a adição nas refeições já prontas. 

1 g de sal refinado = 400 mg de sódio

  • Sal marinho: o sal refinado e o marinho são praticamente iguais, contendo mais de 99% de sódio em sua composição. A principal diferença está no formato dos grãos: enquanto o primeiro é refinado para passar pelo buraco do saleiro, o segundo passa por um refinamento mais rústico, resultando em grãos irregulares, que causam a sensação "salgada".

1 g de sal marinho = 420 mg de sódio

  • Sal light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. Porém, ele não é recomendado a indivíduos com doenças renais, uma vez que o problema leva ao acúmulo de potássio nos rins, o que pode favorecer doenças cardíacas.

1 g de sal light = 197 mg de sódio

  • Sal rosa do Himalaia: este sal vindo da Ásia é um pouco mais caro que os outros sais importados. Este condimento é encontrado nos pés da montanha do Himalaia, uma região que já foi banhada por mar. O tom rosado se deve aos minerais presentes nele, como o ferro e o manganês. É preciso tomar cuidado com "imitações"e o valor não é tão acessível.

1 g de sal rosa do Himalaia = 230 mg de sódio

  • Sal de ervas: um dos substitutos do sal de cozinha para reduzir o exagero à mesa e na cozinha é conhecido como “sal de ervas”. Consiste em uma mistura de partes iguais de sal, orégano, manjericão, alecrim ou qualquer outra erva aromática.

 

 A mistura do sal com as ervas auxilia na diminuição da quantidade de sal utilizada nas preparações, podendo ser utilizado em substituição ao sal de adição (na mesma quantidade) em pratos quentes e saladas.

 

Outra boa opção para reduzir o consumo de sal é o preparo caseiro de temperos como o de alho e sal.

 

Veja como preparar:

 

Coloque em quantidade igual: alecrim, manjericão, orégano, salsinha e sal. Como fazer: Bata todos os ingredientes no liquidificador e guarde em um recipiente de vidro com tampa.

 

Além dessas ervas, pode-se colocar salsa, alecrim, manjericão, manjerona, cebolinha, hortelã, entre outras.


A TEM Saúde recomenda a visita ao um cardiologista caso tenha histórico de hipertensão na família ou se já foi diagnosticado com hipertensão. Para agendar sua consulta e outros exames diagnósticos com especialistas da Rede TEM, ligue na Central de Atendimento da Rede TEM 0800 836 88 36

 

Fontes: Ministério da Saúde, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Cardiologia e Nefrologia, Federação Nacional das Associações de Portadores de Hipertensão Arterial.

Please reload

Destaques

A importância de manter a vacinação e a Carteira de Vacinação em dia!

18/07/2019

1/10
Please reload

+ Recentes

Please reload

Arquivo

Please reload